Ninguém fará eu perder a ternura

Como se os quatro besouros

Geração da geração

Vôo de garças seguro

Ninguém fará

Ninguém fará eu perder a doçura

Seiva de palma, plasma de coco

Pêndulo em extensão

Em extensivo mar – aberto

Cavala escamada, em leito de rio

Ninguém me fará racista

haste seca petrificada

Sem veias, sem sangue quente

Sem ritmo, de corpo, dura

Jamais fará que em mim exista

Câncer tão dilacerado

Beatriz Nascimento

A Fotografia que ilustra o poema/manifesto foi retirada de:

Anúncios