texto

Temos razões para nos odiarmos tanto?

Por Nílson Lage

Expulsos pela miséria, pela guerra, pela perseguição étnica, povos de todo o mundo chegaram ao Brasil; recebemo-los e os integramos à nossa cultura.

No entanto, nos julgamos os mais intolerantes.

Estranho país racista esse, o mais miscigenado da Terra – que, em plena escravidão, cultuava seu maior escritor, negro (Machado); seu mais notável engenheiro, negro (André); o fundador de sua ciência psiquiátrica, negro (Juliano Moreira); negros muitos de seus poetas, políticos e heróis de guerra.

Onde mais isso ocorria?

Após 500 anos de colonização, temos o maior contingente de nativos da América vivendo em condições tribais com suas culturas extrativistas preservadas, anteriores à era dos metais – umas 500 mil pessoas – e mais 30 milhões de descendentes integrados a nossas sociedades rurais e urbanas. Única nação do globo em que o exército nacional se dispôs ao sacrifício para preservar essas culturas, somos, porém, a nosso juízo, os maiores algozes dos índios.

A pátria de Rondon?

Há racismo no Brasil? Claro, nunca alguém disse que não havia, até porque, sobre o tanto que sempre houve, importamos muito mais, da Europa, em décadas recentes, com nossa imensa hospitalidade. Há intolerância no Brasil? Certamente, se não fazemos outra coisa senão copiar crenças e ideologias intolerantes, de tanto que somos humildes. Há conflitos por terras no Brasil? Sem dúvida; é a herança inevitável do passado colonial e da cultura da ganância.

Sociedades complexas permitem leituras radicais, contraditórias e sempre verdadeiras na sua particularidade. Pode-se dizer que o Rio de Janeiro é uma cidade amigável ou violenta, que os chineses cospem no chão ou que cultuam a filosofia de Confúcio, que a Inglaterra apossou-se de riquezas de todo o mundo ou que o povo inglês é pobre; e assim por diante.

O problema é que nós nos odiamos.

PS do Tijolaço – a mentira do assalto aos nadadores americanos, a prisão do membro do Comitê Olímpico Internacional Pat Hickey, que abastecia uma rede de cambistas deveria fazer as pessoas pensarem sobre o conceito de que somos “os piores do mundo”. É o que querem que pensemos e, pior, ajuda piorar a discriminação e a injustiça que existem e que eles próprios amplificam, porque cria-se mais ódio e mais barreiras.

http://www.tijolaco.com.br/blog/temos-razoes-para-nos-odiarmos-tanto-por-nilson-lage/

Advertisements