Cartaz do Flink

Mostra em São Paulo celebra literatura negra

O Festival FlinkSampa, que celebra a literatura negra, termina neste sábado (19) na capital paulista. Desde sexta-feira (18), a mostra recebe convidados brasileiros e estrangeiros em uma programação que inclui palestras, mesas de discussão, lançamentos de livros e exibições de filmes. As atividades ocorrem no campus da Universidade Zumbi dos Palmares (na zona norte), no Memorial da América Latina (zona oeste) e nos campi da Uninove.

“A gente sempre ouvia falar que a Flip [Festa de Literária Internacional de Paraty] nunca tem escritores negros. Este ano que passou foi outra polêmica que não tinha escritores negros”, comenta a pró-reitora da Faculdade Zumbi dos Palmares, Francisca Rodrigues, sobre a origem do festival, que neste ano chega à quarta edição. “A gente resolveu mostrar que temos escritores renomados e não renomados muito bons. Uma Flip só de negros ou com temas negros”, acrescentou.

Nomes internacionais

Entre os autores estrangeiros presentes ao evento está o escritor angolano Alberto de Oliveira Pinto, participante de uma mesa sobre Agostinho Neto, um dos principais nomes da luta pela independência de Angola. Além de ativista político nas décadas de 1960 e 1907, foi poeta e o primeiro presidente do país.

A presença de importantes nomes de fora do país, mostra, na avaliação de Francisca, a importância que o evento ganhou desde 2013, quando foi criado. “A gente começou com autores nacionais e depois estamos com autores internacionais renomados e importais da Academia Brasileira de Letras”, destacou.

O evento homenageia o advogado, jornalista e escritor Luiz Gama, um importante intelectual abolicionista, que passou parte da vida escravizado. “O advogado dos oprimidos”, na definição apropriada por Francisca para justificar a escolha do personagem a ser lembrado na festa, foi tema de pesquisa de alunos do Sesi e da Fundação Bradesco. Os jovens foram convidados a fazer um vídeo de um minuto relacionando justiça e liberdade à figura de Luiz Gama.

Entre as produções audiovisuais exibidas na mostra, várias tratam de temas relacionadas ao empoderamento feminino, também um dos eixos da prohttp://www.vermelho.org.br/noticia/289926-1gramação. Na programação também está a exibição da websérie documental Empoderadas e do curta-metragem ficcional A Boneca e o Silêncio, dirigido por Carol Rodrigues, que trata da temática do aborto.

A programação completa está disponível na página do evento.

Fonte: Agência Brasil

http://www.vermelho.org.br/noticia/289926-1